Intercâmbio Unoesc › Depoimentos

Depoimentos

Confira a opinião e depoimentos de alunos que já fizeram intercâmbio:

  • Eduardo Ledesma, estudante de Publicidade e Propaganda da Unoesc Joaçaba

    Eduardo Ledesma, estudante de Publicidade e Propaganda da Unoesc Joaçaba

    Mexicano da Universidad Autónoma de Baja Califórnia

    Faz praticamente um ano que realizei uma das viagens mais importantes e memoráveis da minha vida, que me permitiu aprender e crescer não só academicamente, mas pessoal e espiritualmente. Desde minha chegada me senti em casa, mesmo sendo outra cultura, outra língua, outras maneiras de fazer e ver as coisas.

    Minha estadia na Unoesc me ajudou a entender que é bom sonhar, mas é muito mais importante trabalhar para transformar os sonhos em realidade. Desde a infância eu sempre tive o desejo de conhecer o Brasil e eu acredito que sonhos podem se cumprir se você se esforça para isso, já que é você quem define os seus limites, mas é importante se preparar, estudar e trabalhar.

    Eu percebi que foi uma boa escolha, os cursos da Unoesc são de excelência profissional, o que me permitiu aprender coisas novas e adicioná-las a minha formação. As instalações são bem equipadas com o necessário para as práticas, como os laboratórios. Fui convidado a participar de atividades adicionais onde você continua aprendendo e compartilhando com os colegas fora da sala.

    Na minha volta eu consegui apreciar o que eu tenho na minha universidade, mas eu estou satisfeito de chegar com novos conhecimentos e ansioso de compartilhá-los com os meus professores e amigos para aplicar aqui.

    Fazer a diferença como pessoa, tentar coisas diferentes. Sinto-me feliz porque desde a minha volta alguns dos colegas que eu conheci e que tinham vontade e curiosidade sobre o intercâmbio conversaram comigo sobre suas dúvidas e ouviram minha experiência, agora alguns deles começaram a sua viagem. Eu descobri que isso era apenas o começo para mim, que ainda tem muitas aventuras por vir e muito que aprender e descobrir.

    Unoesc, obrigado por todas as facilidades, por seu compromisso de formar profissionais com valores e por sempre estar de braços abertos quando eu mais precisava. Obrigado pela nova família de amigos que eu deixei aí, mas que sempre estarão no meu coração.

  • João Marcos de Oliveira Varela, estudante de Administração da Unoesc Joaçaba

    João Marcos de Oliveira Varela, estudante de Administração da Unoesc Joaçaba

    Mobilidade no IPS - Portugal de fevereiro a julho de 2016

    Como toda experiência de aprendizagem e autodescobrimento, o intercâmbio é difícil de transcrever em palavras. Trata-se de um momento único e instigante, em todos os aspectos. Meu intercâmbio foi no Instituto Politécnico de Setúbal – IPS, em Setúbal, Portugal, de fevereiro a julho de 2016. Meu regresso foi em agosto do mesmo ano e durante esse período eu cursei 5 matérias no IPS + uma a distância na Unoesc e visitei diversas localidades de Portugal e outros 7 países. Segue meu relato da experiência.
    Um dos primeiros choques que se enfrenta é cultural, pois, apesar de dividirmos extensas similaridades no idioma, existem muitas divergências nas relações, nos costumes, nos pensamentos e ações. A partir daí, passamos a observar mais atentamente as particularidades não apenas da cultura local, mas também das demais por onde passamos e das outras pessoas com quem convivemos. Essa visão atenta também para a arquitetura, as roupas, a comunicação, as tradições, etc. e ajuda a desenvolver a compreensão sobre o outro e sobre nossas diferenças. Essa compreensão é fundamental em qualquer área de atuação, especialmente na Administração, quando se lida com diferentes percepções e anseios das pessoas dentro de uma organização.
    De forma semelhante, o meio acadêmico também possui didáticas diferentes, que nos levam a um senso de adaptação e flexibilidade profissional, além de enriquecer nosso conhecimento e nossas habilidades. Poder vivenciar essa vida estudantil em outro país é maravilhoso, ainda mais quando se observa o quanto podemos nos desenvolver e também o que é possível transmitir para o desenvolvimento dos outros. Igualmente, de forma profissional, desenvolver a flexibilidade e a adaptação para os desafios do mercado e um pensamento rápido para ações contingenciais é de extrema importância no meio gerencial.
    Outro ponto extremamente fantástico são as amizades que a gente faz e as pessoas que passam a integrar nosso networking, seja acadêmico, seja profissional. Posso dizer com toda certeza que firmei bons laços de amizade, tanto de outros estudantes brasileiros que lá estavam quanto de estudantes locais portugueses e outros internacionais, com quem mantenho contato até hoje. Partilhar uma refeição, um filme, uma viagem, ou até mesmo ter uma presença amiga num momento difícil é gratificante. Longe de casa, fazemos das amizades nosso lar mais próximo. Dessa forma, o relacionamento interpessoal mais uma vez prova-se um ponto-chave do sucesso de qualquer iniciativa, e não é diferente na vida pessoal e na profissional. Ainda, nas viagens que fiz, aprendi muito sobre mim e sobre os locais ao meu redor, pude compreender um pouco da magnitude do mundo e da nossa sociedade e percebi que ainda há muito mais o que aprender.
    Por fim, o intercâmbio é o tipo de experiência em que cada atividade é um aprendizado, desde fazer compras num supermercado estrangeiro até fazer trabalho em grupo com completos desconhecidos ou se livrar dos apertos que aparecem durante uma viagem. E, no final, a gente percebe que cada eventual sufoco nada mais é do que uma forma de explorar nossas capacidades ou quem sabe de desenvolvê-las, e que toda dedicação e investimento valeram a pena.

  • Fabiana Ficagna, Acadêmica do curso de Psicologia Unoesc Chapecó

    Fabiana Ficagna, Acadêmica do curso de Psicologia Unoesc Chapecó

    Mobilidade na Universidade do Minho, Portugal no período de fevereiro a julho de 2016.

    Escolhi Portugal para realizar o intercâmbio porque tinha curiosidade em conhecer um pouquinho mais sobre um país “irmão”, isso aí! Além da facilidade da língua, nossas raízes vieram de lá. Eu já tinha ouvido falar bem de Braga e tinha uma curiosidade imensa de conhecer o local e sua região. Além disso, eu procurava por um lugar histórico para fazer meu intercâmbio e Portugal foi o lugar escolhido. No início fiquei apreensiva pela distância, em um mundo totalmente diferente e em deparar-me que iria ficar “só”. Mas, ao contrário, tive uma postura madura, fiquei bastante à vontade e fiz amizade com um grupo de residentes e professores locais que estavam ali para o que eu precisaria, além de outros intercambistas que, dentre muitos, o que mais me marcou foi uma chinesa, que tivemos um bom relacionamento de amizade. E aqui vai a primeira dica, principalmente pra quem reside em um país onde a fluência da língua é outra: conheça outras culturas. Eu conheci muitos brasileiros, mas somente na última semana que me aproximei mais. E a segunda dica: fique na residência universitária e para aqueles que vão a Braga fiquem na Lloyde, pois a localização é perfeita, sendo próximo a shopping, universidade, padaria, ponto de autocarro, centro.
    O clima não era como eu esperava. Viajei no começo de fevereiro, que já seria o final do inverno, mas mesmo assim peguei algumas semanas de um frio intenso. No final o calor predominava, mas deu para aproveitar bastante as praias e passeios que a região oferece para essa estação do ano. Na minha última semana a temperatura subiu consideravelmente, mas ainda assim continuava com um clima agradável.
    A Universidade do Minho foi uma excelente surpresa, gostei muito dos professores, do material didático, da estrutura e da metodologia das aulas, porque eram focadas na conversação, troca de experiências nas aulas práticas. Vale muito a pena estudar lá, afinal, ela está entre as 50 melhores do mundo.
    O sotaque, no começo, eu não entendia direito, mas aos poucos me adaptei e deu tudo certo.
    Não posso dizer que gostei de algo em específico, já que gostei do país como um todo, achei um clima agradável, uma população tranquila, sem frescuras, pé no chão, seguro. Eu gostei bastante e recomendo!
    Sobre o transporte, não tive problemas... há comboios (trens), metrôs, autocarros (ônibus). Sem tirar que tudo lá fora é mais prático. Era uma maravilha, os ônibus e comboios sempre pontuais, foi muito fácil me locomover. Portanto, esta é a terceira dica: use o transporte público!
    Sobre o custo de vida: se você é uma pessoa que precisa comer e vestir-se bem, lembre-se que vai gastar mais. Levar dinheiro em espécie possui uma vantagem, que é trocar quando o euro abaixa, mas se você depender de alguém mandar do Brasil lembre-se que terá o custo com impostos. Quando eu fui, teve tempo que cheguei a pagar R$ 3,90. Em comparação a outros países europeus o custo de vida é bem mais barato do que na França, na Espanha, na Itália, enfim, Portugal é o país que encontra as coisas mais em conta.
    Além de estudar em Braga, fiz muitos passeios e cursos na região, ia pesquisando e me informando com as pessoas sobre o que mais era válido. Na Europa, em si, há muita história por trás de cada museu, igreja antiga, então a quarta dica que dou é sempre pesquisar sobre o local que você vai visitar, para conhecer um pouquinho mais das histórias locais.
    Conheci outros países, como França, Espanha, Holanda, enfim, e o que mais me chamou a atenção foram os 13 dias em Marrocos, na África, que estive hospedada em algumas Medinas. Percorri o deserto de Saaara, rodei por muitas cidades, como Maraquexe, Casa Blanca, Chef Chauen, entre outras.
    E, pra finalizar, quando me perguntam se meu intercâmbio valeu a pena, claro que a resposta vem logo: -“Com certeza!” Meu intuito com o intercâmbio sempre foi aprimorar os conhecimentos e obter uma nova experiência de vida pessoal e profissional, conhecer lugares e amigos novos. Acredito que seis meses foram suficientes para realizar esse sonho, foi sensacional e me ajudou muito. Sem contar que Braga é um destino que me surpreendeu e me agradou muito. Se precisar de mais alguma dica, meu e-mail é: faby_ficagna@hotmail.com. Terei muito prazer em trocar ideias e experiências.

  • Bruno Yanke Chiossi, do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unoesc Xanxerê

    Bruno Yanke Chiossi, do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unoesc Xanxerê

    Mobilidade na UCAM de setembro de 2016 a fevereiro de 2017.

    Como acadêmico de Arquitetura e Urbanismo da Unoesc Xanxerê sempre me motivei em conhecer outras culturas: não só estudantil e contato com novas pessoas, mas também por querer vivenciar o novo, o inusitado, a adaptação, a influência da experiência, o desafio da visão de mundo. A partir deste objetivo me inscrevi no edital ofertado de Mobilidade Acadêmica, pela Unoesc, buscando construção intelectual e cultural entre o meu eu e a quem vive ao meu redor, sejam familiares, colegas de estudo ou de trabalho.

    Cursei algumas disciplinas relacionadas à minha graduação, na UCAM - Universidad Católica San Antón de Murcia, na cidade de Murcia, no sul da Espanha, e pude ter outra visão de arquitetura e de mundo: arquitetura não é só projeto de fachada e planta que seguem estilos, é um conjunto de fatores que determinam o bem-estar para pessoas passarem o maior tempo de suas vidas, e este espaço precisa ser confortável e adaptável para cada ocasião. Sempre que pude, assisti outras classes de disciplinas relacionadas, mesmo sem cursá-las, em busca de aprimoramento e conhecimento.

    Por ser acadêmico de arquitetura, a curiosidade por conhecer novos "ares arquitetônicos" me ansiou em viajar pela Europa e Africa, assim pude viver e conhecer de perto obras famosas, outras nem tanto, mas que não deixam de ser menos importantes ou menos curiosas, e, ainda, viver a cultura local de diversos países que visitei.

    Esta foi a única compra que fiz e que me deixou mais rico, não financeiramente e sim intelectualmente, por isto escrevo com sentimento de realização e satisfação. Agradeço a Unoesc por me dar a oportunidade de voltar com esta bagagem que não está relacionada apenas à graduação e sim a um conjunto imenso de fatores que me tornaram uma pessoa melhor e mais humana.

    Recomendo a todos realizarem seus sonhos o quanto antes, o meu foi realizado. Não espere que seja tarde!

  • Willian Pasinato, do curso de Medicina veterinária da Unoesc Campos Novos

    Willian Pasinato, do curso de Medicina veterinária da Unoesc Campos Novos

    Práticas internacionais na Univerisdad de Zaragoza, Espanha em 2016

    O intercâmbio em 2016/2, realizado pela Mobilidade acadêmica da Unoesc Joaçaba, deu-me a oportunidade de uma bolsa de Estudos na Unizar - Universidade de Zaragoza - Faculdade de Veterinária na Espanha. As práticas nesse período foram realizadas no laboratório de Doenças Infecciosas da Universidade, onde pude ter práticas de Microbiologia com cultivos de bactérias, práticas de PCR, laboratório de Biologia Molecular e práticas de cavalos, tais como anamneses, técnicas de contenção, para aplicar medicamentos e mesmo para diagnosticar doenças. Posso afirmar que essa experiência foi muito válida, pois com as práticas tenho outra visão e outra noção sobre Medicina Veterinária, as vantagens de estudar esse curso e como amar cada vez mais os animais. Estou muito feliz e realizado por essa oportunidade incrível. Dedico esse conhecimento graças aos meus professores da Unizar, Mari Carmen Símon, Jesus Orós, Hector Fortes e Antônio. Obrigado !